A Ler
Steve Schapiro

Steve Schapiro

Nascido em Nova Iorque em 1934, Steve Schapiro descobriu a fotografia com apenas nove anos. Animado pelo potencial apresentado pela câmera fotográfica, passou as décadas seguintes nas ruas dos EUA, sobretudo Nova Iorque, a registar desde os temas mais mundanos aos eventos de importância maior na história daquele país. Inicialmente foi a inspiração transmitida pelo trabalho de Henri Cartier-Bresson que o motivou, mas rapidamente ganhou um estilo próprio, muito próximo da acção e do assunto.

Steve Schapiro durante a campanha de Robert F. Kennedy

Com uma educação formal na Fotografia surgida do período em que estudou com William Eugene Smith – figura emblemática do fotojornalismo americano – foi com ele que Schapiro praticou e aprendeu as técnicas fotográficas que fazem de qualquer pessoa, potencialmente, um fotógrafo. Ainda assim, confessa que aprendeu sobretudo a saber formar a sua visão pessoal do mundo e a criar a sua personalidade fotográfica, se é que isso existe.

O interesse constante de Schapiro no documentário social e o seu retrato consistentemente empático relativamente aos seus assuntos fotográficos, são uma clara consequência dos dias passados com W. Eugene Smith, assim como o foi o desenvolvimento de uma abordagem fotográfica humanística e socialmente consciente.

A partir de 1961, Schapiro trabalhou como fotojornalista freelancer. As suas fotografias tiveram divulgação internacional nas páginas e nas capas de revistas como a Life, Look, Time, Newsweek, Rolling Stone, Vanity Fair, Sports Illustrated, a People ou mesmo a Paris Match.

I'm Still Alive, Chicago, 2017

Foi exactamente na década de 1960, fruto das convulsões políticas, culturais e sociais nos EUA, que foi proporcionado a Schapiro um ambiente particularmente estimulante para seu o trabalho e que lhe foi então permitido afirmar-se como fotojornalista e documentarista, cuja importância social jamais será apagada.

White Woman, Arkansas (1951)
Jerome Smith Inspects Bullet Holes in Door, 1963
James Baldwin, Colored Entrance Only, New Orleans, 1963
James Baldwin and His Nephew at a Funeral, Harlem, 1963

Durante essa época, a chamada “era de ouro do fotojornalismo”, Schapiro produziu ensaios fotográficos sobre assuntos tão variados quanto a adição a narcóticos ou a Páscoa no Harlem, o ambiente do Apollo Theatre, o Haight-Ashbury, que é tido como o local de nascimento do movimento Hippie, o forte protesto político que varreu a América, a campanha presidencial de Robert Kennedy, entre muitos outros temas.

Jackie Robinson, Rosa Parks, and Other Activists March on Washington, 1963
James Baldwin, Jojo's Fried Chicken, New Orleans, 1963
Freedom Now, ”Summer of '64”, 1964
Demonstrator (laughing) and Trooper, Philadelphia, Mississippi, 1964
Brooklyn Police Line at Riot, 1964
Brooklyn Students Running Riot, 1964

Activista e documentarista, Schapiro cobriu muitas histórias relacionadas com o movimento dos Direitos Civis, incluindo a Marcha sobre Washington por Trabalho e Liberdade, e a marcha de Selma a Montgomery pelos Direitos de voto. Chamado pela Life a Memphis após o assassinato de Martin Luther King Jr., Schapiro produziu algumas das imagens mais famosas desse trágico evento.

Ver Também


A protestor waves the Stars and Stripes during Martin Luther King's march in Selma in 1965
Vote, Selma March (1965)
Stop Police Killings, Selma (1965)
Selma March, Flag, 1965
Run King Out of Alabama, 1965
Rosa Parks, Selma March, 1965
Nuns at the March, Selma, 1965
Negroes are entitled to..., 1965
Martin Luther King Marching for Voting Rights, Selma, 1965
Martin Luther King Jr. (with Flag), Selma March, 1965
Dr. Martin Luther King Jr.’s motel room several hours after King was assassinated at the Lorraine Motel in Memphis, Tennessee, on April 4, 1968
I am a Man, Memphis, Tennessee, 1968

Esteve também na história particularmente comovente sobre a vida dos trabalhadores migrantes no Arkansas, produzida em 1961, quando tinha 25 anos. Na altura, o plano de Schapiro foi “simples”, conforme confessou numa entreviste à LIFE em 2014. “Atribuí a mim próprio uma missão: fotografar um campo de migrantes no Arkansas e, de alguma forma, mostrar as fotografias a um editor da LIFE”. Schapiro passou quatro semanas no Arkansas. Quando voltou para Nova York e revelou o filme, viu que as suas fotografias mostravam exactamente aquilo que esperava que mostrassem e sentiu-se de alguma forma validado. Uma pequena revista católica chamada Jubilee publicou “Os migrantes” como o seu primeiro ensaio fotográfico, dedicando-lhe oito páginas completas. Mais relevante ainda, o New York Times escolheu uma das fotos para capa de secção. Logo depois disso, a Life ofereceu-lhe trabalho e o resto é história em imagens.

Ainda relativamente ao trabalho sobre as massas migratórias, as imagens de Schapiro informaram os leitores acerca das difíceis condições de vida daqueles trabalhadores, o que provocou mudanças tangíveis nas suas condições de vida, das quais se destaca a instalação de electricidade nos seus acampamentos.

Migrant Bean Pickers, Arkansas, 1961

Na década de 1970 e depois de uma década tão intensa como a anterior, Schapiro mudou a sua atenção para o cinema. Com grandes empresas cinematográficas como clientes, produziu materiais publicitários de filmes tão variados como o Padrinho com Marlon Brando e Al Pacino, Midnight Cowboy com Dustin Hoffman e Jon Voigt, Taxi Driver com Robert De Niro, Jodie Foster, Cybill Shepherd ou Harvey Keitel, Chinatown de Roman Polanski, The Way We Were, Rambo, Risky Business, entre muitos outros. Também colaborou em projetos com músicos, como Barbra Streisand (que também entrou em The Way We Were) e David Bowie, para capas de discos e arte relacionada.

Jodie Crossing Street, NY, 1975
De Niro, Graffiti, NY, 1975
Ver Comentários (0)

Deixe uma resposta

© 2019 EFECETERA - O "EFE" É DE FOTOGRAFIA. ALL RIGHTS RESERVED.

Ir para o topo