A Ler
Paolo Longo – “O Caminho Chinês”

Paolo Longo – “O Caminho Chinês”

Paolo Longo - "O Caminho Chinês"

Inauguração/Início da Exposição: 28 de novembro, 2019
Patente até: 23 de fevereiro, 2020

Local: Museu da Fundação Oriente, Lisboa

Visitas orientadas com Paolo Longo: 29 NOV, 2019 e 21 FEV, 2020 pelas 18.00 (gratuito)
Conferência com Paolo Longo: 17 janeiro, 2020 (18:00, gratuito)

O Museu da Fundação Oriente inaugura a 28 de novembro, pelas 18:30 horas, a exposição fotográfica “O Caminho Chinês”, da autoria de Paolo Longo.

A exposição mostra a “viagem do coração na vida quotidiana do povo chinês na época do boom económico e da grande transformação económica, social e cultural”, revela o artista no comunicado de imprensa do evento.

A viagem que o mesmo fala retrata a primeira vez que foi à China, em janeiro de 2004, enquanto correspondente. “Quando cheguei à China para começar a trabalhar como correspondente da RAI, a televisão nacional italiana, tinha uma imagem da transformação da China baseada nos grandes sinais económicos e políticos. Um sexto da população do planeta passava pela maior experiência política e económico-social da História. Comecei então a olhar mais profundamente para o quadro completo e a descobrir não o povo chinês, mas os chineses”.

Ao todo, cerca de 80 fotografias vão estar expostas até fevereiro no Museu da Fundação Oriente. “Cada fotografia é um relato, cada imagem que a máquina fotográfica crava no tempo e no espaço pode ser um relato que remete para outras histórias, para outros relatos. Histórias de pessoas, histórias verdadeiras, imagens da vida de todos os dias que, à primeira vista, pode parecer banal, previsível, mas esconde política, história, cultura, emoções, desejos e segredos de uma sociedade”.

Ver Também

"Atlântico" de Helder Luis no Museu Marítimo de Ílhavo

Paolo Longo, jornalista e fotógrafo, trabalhou durante vinte e cinco anos como correspondente da Rai no estrangeiro: doze anos em Nova Iorque, depois dois em Jerusalém e, por fim, na China, entre 2004 e 2015. Hoje produz e realiza documentários, e regressou à fotografia, na qual se iniciara aos 17 anos.

Em 2014 fez uma exposição no Castello Svevo de Bari intitulada «A Tentação da Ásia», que reunia fotografias captadas no continente asiático em trinta anos de trabalho e de vida. Entre 2016 e 2017 apresentou uma exposição sobre a China do boom económico intitulada «O Caminho Chinês» no Castel dell’Ovo de Nápoles, na Galeria da Academia de Arte de Macerata, na Fundação Monte di Bologna e no MUDEC (Museo delle Culture) de Milão.

Em Lisboa expôs durante dois anos consecutivos na manifestação de arte, música, teatro, fotografia e cultura ‘Todos’. Em 2003 publicou um livro intitulado La Vita Quotidiana al Tempo della Guerra sobre a experiência no Médio Oriente durante os tempos da segunda Intifada.

Ver Comentários (0)

Deixe uma resposta

© 2019 EFECETERA - O "EFE" É DE FOTOGRAFIA. ALL RIGHTS RESERVED.

Ir para o topo