A Ler
Artur Pastor – o centenário que urge assinalar

Artur Pastor – o centenário que urge assinalar

Artur Costa Pastor, Artur Pastor com a sua câmara Mamiya, Lisboa, Portugal, 1986 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Faz hoje, 1 de Maio de 2022, 100 anos que nasceu Artur Pastor.
Em condições correctas e justas, perante o seu trabalho, este seria um momento assinalado com eventos de destaque nacional. Tal não parece ser o caso, não obstante exposições dispersas, e o assinalável esforço de divulgação por parte da família, nomeadamente do filho Artur Costa Pastor.

Institucionalmente parece prevalecer um viés interpretativo que considera a obra de Artur Pastor à margem do “bom caminho” da Fotografia do Século XX. Em entrevistas e programa afloram amiúde considerações justificativas desse “desvio” ­ — a pertença ao círculo do “Salonismo”, o recurso à encenação, a alegada ligação ao Estado Novo pelo seu estatuto de fotógrafo de Ministério e pelo seu registo dum Portugal não urbano, em linha com um regime que desconfiava dos vícios da modernidade urbana e cosmopolita.

Artur Pastor, Recordando o passado, Fão, Portugal, sem data [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Traje, palhota e capa de burel, Montalegre, Portugal, 1952 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
 

Artur Pastor, Ermida do Cruzeiro, Vila do Conde, Portugal, sem data [Arquivo Fotográfico Municipal de lisboa]

Sendo que o “Salonismo” merece uma abordagem histórica e sociológica mais profunda que o afaste da gaveta cómoda que parece ser, que a encenação é um mecanismo profusamente utilizado pela Fotografia contemporânea (e não só), que o registo do Portugal rural e piscatório levado a cabo por Artur Pastor tão frequentemente se afasta do gosto pitoresco e estilizado da dieta estética do Estado Novo ( tendo sido mesmo usado em colaborações com autores longe de ser considerados alinhados com o Estado Novo) , e que a vastidão, variedade e qualidade da obra de Artur Pastor dificilmente permitem categorizá-la, com rigor, em dois ou três lugares-comuns, este centenário deveria ser o momento indicado para sacudir lastros equívocos, e dar a Artur Pastor o reconhecimento público, e institucional, que o valor artístico, documental e cultural da sua obra impõe.

Artur Pastor, Salineiras a carregar o sal, Faro, Portugal, 1943-1945 [ Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa ]
Artur Pastor, Avental com fruta, Portugal, 1957-1961 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Lisboa, Portugal, 1955-1970 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Travessia de peões, Lisboa, Portugal, 1970-1990 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Banca de Jornais, Lisboa, Portugal, 1980-1990 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Lojas na avenida João XXI, Lisboa, Portugal, 1972-1974 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Crianças brincando, Alentejo, Portugal, sem data [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Varinas carregando cestos à cabeça, Nazaré, Portugal, 1954-1957 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, São Bartolomeu do Mar, Esposende, Portugal, 1953 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Jovens a nadar, Póvoa de Varzim, Portugal, 1953-1954 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
 

Artur Pastor, Redes de Pesca, Albufeira, Portugal, 1970-1990 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Praia de Mira, Portugal, 1955-1970 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Arquitectura, Algarve, Portugal, sem data [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Festa de Nossa Senhora da Assunção, Póvoa de Varzim, Portugal, 1953 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, “Vida num beco típico”, Olhão, Portugal, sem data [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Moinho da praia da Apúlia, Esposende, Portugal, 1950-1962 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Lota na praia dos pescadores, Sesimbra, Portugal, 1943 – 1960 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Pesca do atum, Tavira, Portugal, 1944-1946 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, “Avarando o giro do mar”, Armação do Barril, perto de Santa Luzia, Tavira, Portugal,1943-1945 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Ferragudo, Portugal, 1943-1965 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Homens encaminhando gado bovino, Portugal, sem data [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]
Artur Pastor, Lavadeira com cesto à cabeça, Nazaré, Portugal, 1954-1957 [Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa]

© 2020 EFECETERA - O "EFE" É DE FOTOGRAFIA.

Ir para o topo